Blog

A importância da análise da água de poços artesianos

A importância da análise da água de poços artesianos

Nem todo mundo sabe, mas poços artesianos são bastante comuns em todo o Brasil e no mundo, e não apenas em áreas isoladas ou em cidades pequenas. Em grandes centros urbanos encontramos condomínios residenciais, empreendimentos como hotéis e clubes, além de indústrias variadas que utilizam poços artesianos para captação da água, inclusive para consumo humano. 

Afinal, a exploração de um poço artesiano pode gerar diversas vantagens, como economia, através da redução dos custos mensais com água encanada, e garantia de oferta contínua de água, já que os poços, quando bem utilizados, têm baixo risco de secarem.

Por outro lado, para a utilização segura da água de um poço, é fundamental garantir a qualidade da água! 

O risco do consumo de água de poço artesiano

As águas de poços artesianos são consideradas águas brutas. Já explicamos em outro texto sobre os tipos de água, mas, em resumo, água bruta é aquela que não sofreu nenhum tipo de processo de purificação, ao contrário da chamada água tratada. 

Por não terem sofrido nenhum tratamento, essas águas brutas são arriscadas para o consumo humano. Águas subterrâneas, como as retiradas por um poço artesiano, costumam se deslocar por longos trajetos, atravessando solos e rochas, acumulando compostos e alterando suas características químicas.

Por causa desse longo deslocamento, essas águas têm qualidade muito variada. Diferentes águas, de diferentes regiões, são distintas em termos de qualidade e potabilidade. Mesmo a variação da época do ano em que a água é coletada pode gerar mudanças em sua qualidade, pois a industrialização e a urbanização crescentes podem contaminar lençóis e mananciais.

E se engana quem pensa que uma água cristalina retirada de um poço artesiano é segura. A turbidez é apenas um dos elementos que denunciam a qualidade da água. Para uma água ser segura para uso humano, seja para beber, preparar alimentos ou para higiene, é fundamental analisar diversos outros fatores, em especial a contaminação microbiológica.

As exigências da lei para águas de poços artesianos

O governo federal, através dos Ministérios que tratam dos temas saúde e meio ambiente, e os governos estaduais, através de suas secretarias ou departamentos de águas e vigilância sanitária, regulam as exigências sobre a qualidade da água.

A legislação brasileira, por exemplo, apresenta uma série de padrões de qualidade para cada tipo de finalidade e uso da água (Portaria de Consolidação Nº 5, de 2017), seja para o sistema público de abastecimento ou para o que a lei chama de “soluções alternativas coletivas de abastecimento”, como é o caso dos poços artesianos. Alguns exemplos de tais padrões são os índices: pH, turbidez, dureza, cloro, fluoretos, presença de E. coli, bactérias heterotróficas, entre tantos outros.

Além disso, a norma exige um plano constante de avaliação de sua qualidade: não basta realizar um teste inicial da água para ter liberdade de consumi-la, é necessário monitoramento constante das características físico-químicas e dos aspectos microbiológicos da água. Algumas exigências em relação à águas bruta são semestrais, mas há obrigações mais frequentes, inclusive mensais. E dependendo dos resultados – por exemplo, se forem negativos – a água deve ser analisada semanalmente.

E também há exigências sobre a coleta das amostras analisadas. Não basta retirar a água do poço e entregar para uma empresa especializada. Há formas específicas e técnicas exigidas, além de pontos e momentos obrigatórios: antes e depois do tratamento da água, em reservatórios, torneiras, bebedouros, e assim por diante.

Todas essas questões provam a complexidade do processo. Afinal, a responsabilidade em relação à água é imensa! O proprietário do poço artesiano, que distribui a água para consumo, passa a ser responsável por garantir sua qualidade e potabilidade, inclusive com consequências legais pesadas para quem não as cumpre.

Importância do trabalho especializado de análise da água

Analisar a qualidade da água de um poço artesiano é um processo longo e bastante técnico. As várias exigências das normas nacionais e a complexidade do tema provam a importância do trabalho de um profissional especializado e de uma empresa qualificada.

Além disso, existe outro motivo especial para que a análise da água seja feita do jeito certo e por pessoal competente: a importância do consumo de água potável, que não gera riscos à sua saúde e à sua vida! 

Estudos comprovam que existe até 100 vezes mais água doce subterrânea que superficial, e os números também documentam que o consumo de águas de poços artesianos é fundamental para a sobrevivência e qualidade de vida de populações em quase todos os países do mundo. Ou seja, a garantia da qualidade das águas retiradas de poços artesianos é fundamental.

Conte com a experiência e tecnologia da Nugap para realizar o controle e a análise de seu poço artesiano! Basta entrar em contato com nossa equipe especializada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *